Početna – ThaiConsulate

Tips, Reviews, Recommendations

Pondera Xr Depoimentos De Quem Usa?

Como a pessoa se sente tomando Pondera?

Reações comuns (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento) –

Astenia (ausência ou perda da força muscular); Ganho de peso corporal; Sudorese (aumento do suor); Prisão de ventre, diarreia, vômitos, boca seca; Bocejos; Visão turva; Vertigem, tremores e dor de cabeça; Sonolência, dificuldade de dormir, agitação, sonhos anormais (inclusive pesadelos); Aumento dos níveis de colesterol do sangue; Diminuição do apetite.

Qual a vantagem do pondera XR?

Adultos – Transtorno depressivo maior: Pondera XR (cloridrato de paroxetina) é indicado para o tratamento dos sintomas do transtorno depressivo maior. – Transtorno do pânico: Pondera XR (cloridrato de paroxetina) mostrou-se eficaz no tratamento do transtorno do pânico com e sem agorafobia.

Quais os benefícios da medicação Pondera?

Pondera ® (cloridrato de paroxetina) é indicado para o tratamento de quadros depressivos leves, moderados e graves acompanhados ou não por ansiedade.

Quem já tomou Pondera?

Pondera ® (cloridrato de paroxetina) é indicado para o tratamento de ADULTOS que apresentam algumas das condições abaixo: – depressão (mesmo que, anteriormente, outros antidepressivos não tenham sido eficazes); – comportamento obsessivo ou compulsivo (incontrolado); – ataques de pânico, inclusive os causados por fobia (

O que o Pondera faz no cérebro?

Comprimido 15mg e 25mg – Pondera ® (cloridrato de paroxetina) age inibindo o mecanismo que retira a serotonina das regiões das comunicações entre os neurônios do cérebro. Assim, a serotonina se acumula nesses locais e pode agir mais efetivamente. O tempo para se verificar o início da ação do Pondera ® (cloridrato de paroxetina) é de uma a quatro semanas.

Quem tem ansiedade pode tomar Pondera?

Pondera ® (cloridrato de paroxetina) é, também, indicado para o tratamento dos sintomas do Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC), Transtorno de Ansiedade Social (fobia social), Transtorno do Pânico com ou sem agorafobia, Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG) e Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT).

Quanto tempo dura o tratamento com pondera XR?

O médico pode recomendar a dose inicial de 12,5 mg/dia (1 comprimido de 12,5 mg) e aumentá-la para 25 mg/dia (1 comprimido de 25 mg) durante o ciclo menstrual de quatro semanas, ou limitar o uso de cloridrato de paroxetina por um período definido todo mês.

O que significa XR no Pondera?

Como usar o Pondera XR? – Siga as instruções de seu médico sobre o modo e o horário de tomar seus comprimidos. Ele irá orientar você a respeito da quantidade de comprimidos a utilizar por dia. Pondera XR (cloridrato de paroxetina) é um comprimido revestido, para uso oral, e deve ser ingerido em dose única pela manhã com ou sem alimentos.

Como a pessoa se sente tomando paroxetina?

Quais são os possíveis efeitos colaterais? – Este medicamento é considerado bem tolerado, seguro e eficaz quando usado em doses adequadas. Apesar disso, os efeitos colaterais mais comuns são enjoo, mudanças na função sexual normal (dificuldade de ereção ou ejaculação precoce/dificuldade de chegar ao orgasmo e alteração no desejo —entre as mulheres), dor de cabeça, fraqueza ou cansaço, dificuldade para dormir.

TonturaDificuldade de concentraçãoNervosismoMudanças na memóriaConfusão Diarreia Constipação Gases Azia Alterações no paladarAlterações na fertilidade masculinaRedução do apetiteAumento ou perda de peso Boca seca Dor muscular, ossos, nas costas ou em qualquer outra parte do corpoSensibilidade nas articulações

Além desses exemplos, a paroxetina pode causar outros efeitos colaterais. Fale com o médico ou farmacêutico caso observe algum sintoma estranho durante o uso desse medicamento.

Porque Pondera dá sono?

Bula do Pondera | Blog dr.consulta Como o Pondera funciona? Comprimido 10mg e 30mg Pondera é um medicamento que tem como substância ativa o cloridrato. Como o Pondera funciona? Comprimido 10mg e 30mg Pondera é um medicamento que tem como substância ativa o cloridrato de paroxetina.

  1. Esta substância pertence ao grupo de medicamentos conhecidos como inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRS), classificados como antidepressivos.
  2. A paroxetina aumenta a atividade da serotonina, produzida pelo cérebro e envolvida na transmissão dos impulsos nervosos.
  3. Assim como outros antidepressivos, Pondera não eliminará imediatamente os sintomas que você sente e, geralmente, o alívio será sentido após algumas semanas de tratamento.

Você pode necessitar tomar este medicamento por, no mínimo, quatro semanas para sentir melhora de seus sintomas. Ocasionalmente, os sintomas de depressão e outros transtornos psiquiátricos podem incluir pensamento/comportamento suicida. Pode ser que esses sintomas continuem ou aumentem até que o medicamento tenha sua ação completada.

  • Comprimido 20mg
  • Pondera eleva os níveis de uma substância produzida pelo cérebro, a serotonina (5-hidroxitriptamina, ou 5-HT).
  • Pondera pertence a uma classe de medicamentos chamados de inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS).

Assim como outras substâncias dessa classe, pode não eliminar os sintomas imediatamente. Os pacientes, de modo geral, se sentem melhor algumas semanas após o início do tratamento. Às vezes os sintomas de depressão e outros transtornos psiquiátricos provocam pensamento e/ou comportamento suicida.

É possível que esses sintomas continuem ou aumentem até que o antidepressivo alcance sua ação completa. Informe seu médico imediatamente ou procure o hospital mais próximo caso ocorra algum pensamento ou comportamento estressante durante o início do tratamento ou em qualquer outra fase enquanto você estiver tomando Pondera.

Avise também seu médico se você apresentar qualquer piora da depressão ou se novos sintomas surgirem durante o tratamento. Comprimido 15mg e 25mg Pondera age inibindo o mecanismo que retira a serotonina das regiões das comunicações entre os neurônios do cérebro.

  1. Contraindicação do Pondera
  2. Pondera é contraindicado no caso de reação alérgica ao cloridrato de paroxetina ou a qualquer componente de sua formulação; não deve ser usado ao mesmo tempo em que medicamentos inibidores da monoaminoxidase (IMAOs) ou no intervalo de até duas semanas após seu término; e também junto com tioridazina ou com a pimozida.
  3. Se você não tem certeza se está fazendo uso de algum desses medicamentos, converse com o seu médico antes de iniciar o tratamento e avise-o a respeito de todos os medicamentos que utiliza ou utilizou recentemente.
  4. Este medicamento é contraindicado para menores de 18 anos de idade.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista. Informe imediatamente seu médico em caso de suspeita de gravidez. Exclusivo Comprimido 20mg Você não deve tomar Pondera ao mesmo tempo que outros medicamentos antidepressivos chamados de inibidores da MAO, com um antibiótico chamado linezolida e com azul de metileno.

  • Você também não deve tomar Pondera ao mesmo tempo que tioridazina ou pimozida (normalmente usados para tratar esquizofrenia).
  • Durante o tratamento, o paciente não deve dirigir veículos ou operar máquinas, pois sua habilidade e atenção podem estar prejudicadas.
  • Como usar o Pondera
  • Este medicamento não deve ser partido, aberto ou mastigado.
  • Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.
  • Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.
  • Comprimido 10mg e 30mg
  • Tome os comprimidos com quantidade suficiente de líquido (aproximadamente meio copo de água), uma vez ao dia, pela manhã, com algum alimento.

As doses podem variar de 10mg a 60mg ao dia, dependendo do tipo de tratamento (depressão, transtorno do pânico, transtorno obsessivo-compulsivo, transtorno de estresse pós-traumático) e da resposta individual às diferentes doses. Seu médico irá lhe orientar com quais doses você iniciará o tratamento e como elas serão aumentadas, se for o caso.

Se você tiver mais de 65 anos de idade, seu médico poderá lhe recomendar doses menores do que as usuais, a dose máxima recomendada nestes casos é de 40mg ao dia. A duração do tratamento será em um período suficiente que garanta a eliminação dos sintomas. Esse período é variável conforme o sintoma para depressão, pode ser de vários meses, podendo ser mais longo para transtorno do pânico ou transtorno obsessivo-compulsivo.

Parada repentina do tratamento Esses sintomas normalmente ocorrem nos primeiros dias de tratamento ou muito raramente se você se esquecer de tomar uma dose. No entanto, é mais comum ocorrer se o tratamento for interrompido abruptamente.Sensação de mal-estar, enjoo, sudorese, sensação de alfinetadas, queimação ou sensações que se assemelham a choques elétricos, distúrbios do sono, incluindo sonhos intensos, agitação ou ansiedade, vertigem (tontura), tremores, confusão, inchaço, dor de cabeça e diarreia.

  • Você não deve parar o tratamento sem o consentimento do seu médico.
  • No geral, esses sintomas são transitórios e desaparecem dentro de alguns dias, porém, caso você sinta que são muito intensos, consulte o seu médico para que ele lhe oriente como suspender o tratamento mais vagarosamente.
  • Comprimido 20mg Siga as instruções do médico sobre o modo de usar e os horários de tomar os comprimidos.
See also:  Onde Fica A Disney?

Seu médico vai orientar você sobre o número de comprimidos que deve usar por dia. Recomenda-se tomar Pondera em dose única diária, pela manhã, com a alimentação. Você deve engolir os comprimidos, de preferência com um copo de água.

  1. As doses variam de acordo com a indicação do médico.
  2. A maior parte dos adultos deve tomar de 20 mg (um comprimido) a 40 mg (dois comprimidos) de Pondera por dia.
  3. Se você tem mais de 65 anos, a dose máxima recomendada é de 40 mg (dois comprimidos) por dia.
  4. Seu médico pode iniciar o tratamento com doses menores e aumentá-las com o passar do tempo.
  5. Para o tratamento de obsessões e compulsões, o médico pode sugerir doses de Pondera maiores que 60 mg (três comprimidos) por dia.

Assim como acontece com outros medicamentos psicoativos, você deve evitar a interrupção repentina do tratamento com Pondera. Seu médico irá recomendar o regime de descontinuação.

  • Comprimido 40mg e Comprimido 15mg e 25mg
  • Adultos
  • O tratamento pode ser iniciado com 10 mg ou 15 mg ao dia, ou a critério médico.
  • Se necessário, elevar a dose semanalmente, até atingir a dose ideal recomendada, conforme a indicação.
  • Exclusivo Comprimido 15mg e 25mg

Recomenda-se que Pondera seja administrado em dose única diária, pela manhã, juntamente com a alimentação. Os comprimidos devem ser deglutidos inteiros, sem mastigar. A dose deve ser avaliada e ajustada, se necessário, dentro de duas a três semanas após o início do tratamento e conforme considerado clinicamente apropriado.

  1. É recomendável que ao término do tratamento, o medicamento seja descontinuado gradativamente.
  2. Depressão e Transtorno de Ansiedade Social (fobia social)
  3. A dose ideal recomendada é de 20 mg ao dia.
  4. A dosagem máxima é de 50 mg ao dia.
  5. Transtorno Obsessivo Compulsivo
  6. A dose ideal recomendada é de 40 mg ao dia.
  7. A dosagem máxima é de 60 mg ao dia.
  8. Doença do Pânico
  9. A dose ideal recomendada é de 40 mg ao dia.
  10. A dosagem máxima é de 50 mg ao dia.
  11. Transtorno de Ansiedade Generalizada

A dose recomendada é de 20 mg ao dia. Os pacientes que não responderem à dose de 20 mg podem se beneficiar pelo aumento da dosagem em aumentos de 10 mg, conforme necessário, até o máximo de 50 mg/dia, de acordo com a resposta dos pacientes. Transtorno de Estresse Pós-Traumático A dose recomendada é de 20 mg ao dia.

Os pacientes que não responderem à dose de 20 mg podem se beneficiar pelo aumento da dosagem em aumentos de 10 mg, conforme necessário, até o máximo de 50 mg/dia, de acordo com a reposta dos pacientes. Uma dose inicial baixa é recomendada para minimizar a piora potencial da sintomatologia do pânico que, conforme se reconhece, ocorre no início do tratamento da Doença do Pânico.

Recomenda-se que Pondera seja administrado em dose única diária, pela manhã, juntamente com alimentação. Os comprimidos devem ser deglutidos inteiros, sem mastigar. Da mesma forma que com todas as drogas antidepressivas, a posologia deve ser avaliada e ajustada, se necessário, dentro de 2 a 3 semanas após o início do tratamento e conforme considerado clinicamente apropriado.

  • Da mesma forma que para muitos medicamentos psicoativos é recomendável que o tratamento seja descontinuado gradativamente.
  • Crianças
  • O uso de Pondera não é recomendado em crianças porque a segurança e a eficácia ainda não estão estabelecidas nesses pacientes.
  • Pacientes idosos
  • Em pacientes idosos ocorre aumento da concentração plasmática do cloridrato de paroxetina.

A posologia deve, portanto, ser iniciada com 10 mg ao dia, ou a critério médico. Conforme a resposta ao tratamento, a dose pode ser aumentada, acrescentando-se 5 mg a 10 mg ao dia, semanalmente, até a dose diária máxima de 40 mg. Insuficiência renal ou hepática Em pacientes com insuficiência renal grave ( clearance de creatinina lt; 30 ml/min) ou insuficiência hepática grave ocorre aumento das concentrações plasmáticas de cloridrato de paroxetina.

  1. Abuso e dependência
  2. Até o momento, não existem relatos que evidenciem ser o cloridrato de paroxetina uma droga capaz de causar abuso ou dependência.
  3. No entanto, não deve ser esquecido que todas as drogas que atuam a nível de sistema nervoso central, estimulando-o ou inibindo-o, podem potencialmente estar relacionadas como causa de dependência.
  4. O paciente com depressão ou história de abuso ou dependência por alguma droga deve estar sob observação médica contínua.
  5. O que devo fazer quando eu me esquecer de usar o Pondera?

Se você se esquecer de tomar uma dose, procure tomá-la assim que possível. Se estiver próximo ao horário da dose seguinte, despreze a dose esquecida e volte ao seu esquema normal. Não tome duas doses ao mesmo tempo.

  • Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.
  • Precauções do Pondera
  • Comprimido 10mg e 30mg

É importante que você não interrompa o tratamento; continue tomando Pondera conforme as orientações do seu médico. Se você achar que este medicamento não está funcionando bem, não utilize doses maiores do que as prescritas pelo seu médico, mas converse com ele a respeito de suas suspeitas.

Avise imediatamente seu médico se você começar a se sentir mais deprimido ou se apresentar pensamentos suicidas. Informe-o sobre qualquer tipo de pensamento ou comportamento que esteja lhe causando desconforto, especialmente se forem novos ou se estiverem piorando rapidamente. Certifique-se, ainda, de que seu cuidador saiba que você tem problemas para dormir, aborrece-se facilmente ou se sente nervoso, com raiva, inquieto, violento ou com medo (pânico).

Informe seu médico ou procure um hospital se você apresentar algum pensamento ou comportamento estressante durante o início do tratamento ou durante qualquer outra fase. Avise seu médico se apresentar piora da depressão ou se aparecerem outros sintomas durante o tratamento.

  • Avise seu médico se você ou alguém de sua família sofrer de distúrbio bipolar (maníaco-depressivo) ou apresentou tentativas de suicídio.
  • Não pare de tomar este medicamento repentinamente sem o consentimento do seu médico, pode ser preciso diminuir a dose de Pondera gradativamente até sua interrupção.

Avise outros profissionais da área de saúde, como outros médicos ou cirurgião-dentista, que você utiliza este medicamento, pois ele pode alterar os resultados de certos exames médicos. Avise seu médico se você apresentar algumas das situações a seguir:

  • Utiliza medicamentos da classe dos neurolépticos (tratamento da psicose);
  • Tem ou já teve episódios de mania (hiperatividade ou excitação incontrolável);
  • Tem problemas no coração, no fígado ou nos rins;
  • Sofre de epilepsia ou ataque epilético; glaucoma (pressão alta nos olhos);
  • Faz tratamento com medicamentos do tipo anticoagulantes ou que aumentem o risco de sangramentos; tendência ou predisposição a sangramentos;
  • Apresenta sintomas como agitação ou mania durante o tratamento; sofre de convulsões; quadro de esquizofrenia ou utilização de medicamentos para tratar essa condição;
  • Está fazendo ou fez uso nas últimas duas semanas de outros medicamentos tipo antidepressivos chamados inibidores da monoaminoxidase (IMAO);
  • Usa medicamentos contendo tioridazina ou pimozida;
  • Está grávida ou amamentando, ou suspeita de gravidez.
  1. Se você apresentar convulsão durante o tratamento, pare de usar este medicamento e consulte seu médico imediatamente.
  2. Pacientes com história de pensamento/comportamento suicida devem ser cuidadosamente monitorados.
  3. Durante o tratamento com terapias antidepressivas o risco de suicídio aumenta no estágio inicial da recuperação.
  4. Adultos jovens, especialmente aqueles com transtorno depressivo maior, podem ter risco aumentado de comportamento suicida durante o tratamento com a paroxetina.
  5. Em caso de dúvida, consulte o seu médico.
  6. Comprimido 20mg
  7. Se você responder ‘sim’ a qualquer uma das perguntas abaixo, consulte seu médico porque, nesses casos, Pondera deve ser usado com cautela.
  • Você usa (ou usou nas últimas duas semanas) medicamentos antidepressivos chamados de inibidores da monoaminoxidase (IMAO)?
  • Você usa (ou usou nas últimas duas semanas) um antibiótico chamado linezolida?
  • Você usa medicamentos à base de tioridazina?
  • Você usa medicamentos à base de pimozida?
  • Você já apresentou crises de mania (hiperatividade, excitação ou irritabilidade)?
  • Você já apresentou episódios de alteração no humor alterando com períodos de depressão (transtorno bipolar de humor)?
  • Você tem problemas no fígado, no coração ou nos rins?
  • Você sofre de epilepsia ou já teve um ataque epiléptico (crise convulsiva)?
  • Você tem glaucoma (pressão alta nos olhos)?
  • Você tem histórico de problemas de coagulação ou está se tratando com medicamentos que aumentam o risco de sangramento?
  • Você tem esquizofrenia ou toma medicamentos para tratar essa condição?
  • Você faz alguma outra forma de tratamento antidepressivo?
  • Você está em tratamento com eletroconvulsoterapia (ECT)?
  • Você está utilizando tamoxifeno (usado para tratamento ou prevenção do câncer de mama)?
  • Você está grávida, sob suspeita de gravidez ou amamentando?
See also:  Como Desprezar Um Homem Que Te Magoou?

Piora do quadro clínico e risco de suicídio entre adultos Os adultos jovens, especialmente os que têm transtorno depressivo maior, podem ter um aumento no risco do comportamento suicida durante o tratamento com Pondera. Os médicos devem monitorar cuidadosamente os pacientes que apresentam história de pensamento e/ou comportamento suicida.

Durante o tratamento com antidepressivos, o risco de suicídio aumenta no estágio inicial da recuperação. Os pacientes e/ou seus cuidadores devem procurar auxílio médico imediatamente caso observarem qualquer piora do quadro geral (inclusive desenvolvimento de novos sintomas) e/ou o aparecimento de comportamentos ou ideação suicidas, ou pensamentos de ferir a si mesmos.

Em caso de dúvida, peça orientação ao seu médico. Hiponatremia (alteração nos níveis de sódio no sangue) Se você tem mais de 65 anos, Pondera pode provocar redução da concentração de sódio no sangue, o que causa sonolência e fraqueza. Se já apresentou algum desses sintomas, consulte seu médico.

  • Acatisia (incapacidade do paciente de permanecer na mesma posição) Alguns medicamentos usados para tratar alguns problemas de saúde mental, como o Pondera, podem causar uma sensação de inquietude interior e o desejo de se mover (acatisia).
  • Este é um efeito colateral raro de Pondera e é mais provável de ocorrer nas primeiras semanas de tratamento.

Informe o seu médico assim que possível se apresentar algum desses sintomas. Síndrome serotoninérgica/síndrome neuroléptica maligna Alguns medicamentos aumentam a atividade da serotonina no cérebro e podem causar uma condição chamada síndrome serotoninérgica.

Esta é uma reação adversa muito rara de Pondera. O uso de Pondera em combinação a outros medicamentos que também elevam a atividade da serotonina no cérebro pode aumentar o risco deste grave efeito colateral. Outra condição conhecida como síndrome neuroléptica maligna é também uma reação adversa rara de alguns medicamentos usados para tratar problemas de saúde mental.

Os sintomas de ambas as síndromes são semelhantes. Normalmente mais de um dos seguintes sintomas pode ocorrer:

  • Tremores;
  • Movimentos espasmódicos incontroláveis e súbitos;
  • Rigidez nos músculos;
  • Dificuldade em ficar parado;
  • Sensação de agitação ou irritação;
  • Sensação de calor ou de excesso de suor;
  • Aumento da frequência cardíaca.

A gravidade pode aumentar, levando a perda de consciência. Procure seu médico imediatamente, caso tenha algum desses sintomas. Ele pode recomendar a interrupção do tratamento. Fratura óssea Há um aumento no risco de fratura óssea em pacientes fazendo uso de Pondera.

  • Comprimido 10mg e 30mg
  • Reação muito comum (ocorre em mais de 10% dos pacientes que utilizam este medicamento):
  • Alterações na função sexual (impotência ou ejaculação precoce); náusea (enjoo); edema periférico (inchaço dos braços e das pernas).
  • Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento):
  • Diminuição do apetite, sonolência, insônia (dificuldade de dormir), tremor, vertigem (tontura), dor de cabeça, sonhos anormais (inclusive pesadelos), bocejos, visão turva, prisão de ventre, boca seca, sudorese (transpiração), diarreia, astenia (fraqueza, ausência ou perda das forças musculares), aumento dos níveis de colesterol, agitação, ganho de peso corporal.
  • Reação incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento):
  • Sangramento não usual, especialmente na pele ou membranas mucosas,

Em pacientes com transtorno de ansiedade generalizada (GAD), a Cloridrato de Paroxetina (substância ativa) é eficaz, mesmo a longo prazo, propiciando resolução dos sintomas, redução da ansiedade, melhora funcional significativa (redução média de 57% na escala HAM-A) e perfil de tolerabilidade superior ao dos benzodiazepínicos.

Os índices de remissão são significativos e proporcionais à duração do tratamento, especialmente após três meses,,, No transtorno disfórico pré-menstrual (PMDD), a Cloridrato de Paroxetina (substância ativa) de liberação controlada – administrada de forma intermitente em doses de 12,5 ou 25 mg/dia durante a segunda metade do ciclo menstrual – melhorou significativamente o humor durante a fase lútea, bem como a gravidade dos sintomas e o comprometimento funcional.

A Cloridrato de Paroxetina (substância ativa) de liberação controlada também foi eficaz em tratamento contínuo, com doses de 12,5 a 25 mg/dia, com apenas cerca de 10% de descontinuação,

  • No transtorno do pânico, o uso de Cloridrato de Paroxetina (substância ativa) de liberação controlada resultou em 73% dos pacientes livres de sintomas após dois meses de tratamento. O perfil de tolerabilidade mostrou-se bastante próximo do de placebo: descontinuação em 11% dos pacientes e eventos adversos graves na mesma proporção observada com placebo, de 2%.
  • Em pacientes ambulatoriais com transtorno depressivo maior (MDD) grave, a Cloridrato de Paroxetina (substância ativa) de liberação controlada é eficaz e bem tolerada, com resposta até 140% superior à obtida com placebo e índices de descontinuação por eventos adversos inferiores a 10%. Em casos moderados, a dose de 25 mg/dia reduziu significativamente as manifestações depressivas e ansiosas, com chances de remissão 96% superiores às observadas com placebo. Adicionalmente, a Cloridrato de Paroxetina (substância ativa) de liberação controlada apresentou boa tolerabilidade em doses de até 50 mg/dia,

Referências: REYNOLDS, CF. et al. Maintenance treatment of major depression in old age. N Engl J Med, 354(11):1130-8, 2006. VAN AMERINGEN, M. et al. An evaluation of paroxetine in generalised social anxiety disorder. Expert Opin Pharmacother, 6(5):819-30, 2005.

  1. BALL, SG. et al.
  2. Selective serotonin reuptake inhibitor treatment for generalized anxiety disorder: a double-blind, prospective comparison between paroxetine and sertraline.
  3. J Clin Psychiatry, 66(1):94-99, 2005.
  4. BALLENGER, JC. et al.
  5. Remission rates in patients with anxiety disorders treated with paroxetine.

J Clin Psychiatry, 65(12):1696-707, 2004. STEINER, M. et al. Luteal phase dosing with paroxetine controlled release (CR) in the treatment of premenstrual dysphoric disorder. Am J Obstet Gynecol, 193(2):352-60, 2005. COHEN, LS. et al. Paroxetine controlled release for premenstrual dysphoric disorder: a double-blind, placebo-controlled trial.

  • Psychosom Med, 66(5): 707-13, 2004.
  • DUNNER, DL. et al.
  • Efficacy and tolerability of controlled-release paroxetine in the treatment of severe depression: post hoc analysis of pooled data from a subset of subjects in four double-blind clinical trials.
  • Clin Ther, 27(12):1901-11, 2005.
  • TRIVEDI, MH. et al.
  • Effectiveness of low doses of paroxetine controlled release in the treatment of major depressive disorder.

J Clin Psychiatry, 65(10):1356-64, 2004.

  1. Fonte: Bula do Profissional do Medicamento Paxil CR.
  2. Características Farmacológicas
  3. Propriedades Farmacodinâmicas
  4. Mecanismo de ação

A Cloridrato de Paroxetina (substância ativa) é um potente e seletivo inibidor de recaptação de serotonina (5-hidroxitriptamina, ou 5-HT). Acredita-se que sua ação antidepressiva e sua eficácia no tratamento do transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) e do transtorno do pânico estejam relacionadas à sua inibição específica da recaptação de 5-HT pelos neurônios cerebrais.

A Cloridrato de Paroxetina (substância ativa) não está quimicamente relacionada aos antidepressivos tricíclicos, tetracíclicos e a outros antidepressivos disponíveis. A Cloridrato de Paroxetina (substância ativa) possui baixa afinidade pelos os receptores colinérgicos muscarínicos, e estudos em animais demonstraram fraca atividade anticolinérgica.

De acordo com sua ação seletiva, estudos in vitro indicaram que, em contraste com os antidepressivos tricíclicos, a Cloridrato de Paroxetina (substância ativa) tem pouca afinidade pelos receptores adrenérgicos α1, α2 e β, dopaminérgicos (D2), 5-HT1, 5-HT2 e histamínicos.

  • Efeitos Farmacodinâmicos
  • A Cloridrato de Paroxetina (substância ativa) não prejudica a função psicomotora e não potencializa o efeito depressor do etanol.
  • Assim como outros inibidores seletivos da recaptação da serotonina (5-HT), a Cloridrato de Paroxetina (substância ativa) provoca sintomas de estimulação excessiva dos receptores 5-HT quando administrada a animais previamente tratados com inibidores da MAO ou triptofano.

Estudos comportamentais e de EEG indicaram que a Cloridrato de Paroxetina (substância ativa) é fracamente ativada em doses geralmente abaixo daquelas requeridas para inibir a recaptação da 5-HT. As propriedades de ativação não são de natureza anfetamínica.

  1. Estudos em animais indicaram que a Cloridrato de Paroxetina (substância ativa) é bem tolerada pelo sistema cardiovascular.
  2. Não produz alterações clinicamente significativas na pressão arterial, na frequência cardíaca e no ECG após ser administrada a indivíduos sadios.
  3. Estudos indicaram que, em contraste com antidepressivos que inibem a recaptação da noradrenalina, a Cloridrato de Paroxetina (substância ativa) possui propensão muito reduzida a inibir o efeito anti-hipertensivo da guanetidina.
  4. Propriedades Farmacocinéticas
  5. Absorção

A Cloridrato de Paroxetina (substância ativa) é bem absorvida após administração oral e apresenta metabolismo de primeira passagem. Os comprimidos de Cloridrato de Paroxetina (substância ativa) CR controlam a taxa de dissolução da Cloridrato de Paroxetina (substância ativa) por um período de quatro a cinco horas.

  • Devido ao metabolismo de primeira passagem, a quantidade de Cloridrato de Paroxetina (substância ativa) disponível na circulação sistêmica é menor do que a absorvida pelo trato gastrointestinal.
  • O estado de equilíbrio dos níveis sistêmicos é atingido em 7 a 14 dias após o início do tratamento, e a farmacocinética parece não se alterar durante o uso prolongado.
  • Distribuição
See also:  Qual A Cobra Mais Venenosa Do Mundo?

A Cloridrato de Paroxetina (substância ativa) é extensamente distribuída nos tecidos; cálculos farmacocinéticos indicam que apenas 1% da Cloridrato de Paroxetina (substância ativa) corporal reside no plasma. Em concentrações terapêuticas, aproximadamente 95% da Cloridrato de Paroxetina (substância ativa) presente no plasma está ligada a proteínas.

Não foi encontrada correlação entre concentrações plasmáticas de Cloridrato de Paroxetina (substância ativa) e efeitos clínicos. Metabolismo Os principais metabólitos da Cloridrato de Paroxetina (substância ativa) são polares e conjugados por oxidação e metilação, sendo rapidamente metabolizados. Considerando a relativa falta de atividade farmacológica, é muito pouco provável que eles contribuam com os efeitos terapêuticos de Cloridrato de Paroxetina (substância ativa) CR.

O metabolismo não compromete a ação seletiva da Cloridrato de Paroxetina (substância ativa) na recaptação de 5-HT neuronal. Excreção A excreção urinária de Cloridrato de Paroxetina (substância ativa) inalterada é geralmente menor que 2% da dose, enquanto que a excreção de metabólitos é de cerca de 64% da dose.

  1. A excreção de metabólitos é bifásica, sendo inicialmente resultado do efeito do metabolismo de primeira passagem e subsequentemente controlada pela eliminação sistêmica da Cloridrato de Paroxetina (substância ativa).
  2. A meia-vida de eliminação é variável, mas geralmente de cerca de um dia.
  3. População Especial
  4. Idosos e Insuficiência hepática/renal
  5. Pacientes idosos, com insuficiência renal grave e aqueles com insuficiência hepática apresentaram concentrações plasmáticas discretamente aumentadas de Cloridrato de Paroxetina (substância ativa), mas a faixa de concentrações plasmáticas nesses pacientes se sobrepõe à de adultos sadios.
  6. Fonte: Bula do Profissional do Medicamento Paxil CR.
  7. Cuidados de Armazenamento do Pondera

Este medicamento deve ser armazenado em temperatura ambiente (entre 15 º C e 30 º C). Proteger da umidade.

  • Prazo de validade
  • Desde que observados os devidos cuidados de conservação, o prazo de validade do produto é de 24 meses, contados a partir da data de fabricação impressa em sua embalagem externa.
  • Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

  1. Características dos produtos
  2. Comprimido 10mg
  3. É revestido oblongo amarelo ocre, com vinco em um dos lados e liso do outro.
  4. Comprimido 15mg
  5. É um comprimido revestido amarelo oblongo, biconvexo, com vinco emum dos lados e liso do outro.
  6. Comprimido 20mg
  7. É um comprimido revestido oblongo, branco e com vinco.
  8. Comprimido 25mg
  9. É um comprimido revestido amarelo claro oblongo, com vinco emuma das faces.
  10. Comprimido 30mg
  11. É um comprimido revestido oblongo azul claro, com vinco em um dos lados e liso do outro.
  12. Comprimido 40mg
  13. É um comprimido revestido, azul, biconvexo, oblongo, com vinco em um dos lados e liso do outro.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo. Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças. Dizeres Legais do Pondera Venda sob prescrição médica.

  • Itapevi – SP
  • Registrado por:

Eurofarma Laboratórios S.A.Av. Vereador José Diniz, 3.465São Paulo – SPCNPJ: 61.190.096/0001-92

  1. Indústria Brasileira
  2. Central de Atendimento Eurofarma:
  3. 0800 704 3876

: Bula do Pondera | Blog dr.consulta

O que a paroxetina faz no cérebro?

Sousa alerta que, um antidepressivo específico, a paroxetina, age em receptores no cérebro que são responsáveis pelas tarefas cognitivas e, por isso, seu uso deve ser reconsiderado se aparecerem dificuldades de raciocínio e memória, entre outras.

Como o Pondera XR age no organismo?

Pondera® (cloridrato de paroxetina) age inibindo o mecanismo que retira a serotonina das regiões das comunicações entre os neurônios do cérebro. Assim, a serotonina se acumula nesses locais e pode agir mais efetivamente.

Quando parar de tomar Pondera?

Nunca interrompa o tratamento sem consultar seu médico. Na maioria dos casos, os sintomas são autolimitados (se resolvem por si sós) e desaparecem em alguns dias. Entretanto, se você sentir que os sintomas indesejáveis são muito fortes, consulte seu médico para obter orientação.

Como saber se a paroxetina está fazendo efeito?

Geralmente, a melhora nos sintomas da depressão e transtornos de ansiedade ocorrem após 7 a 14 dias do início do tratamento.

O que pode acontecer se eu parar de tomar o Pondera?

Nunca interrompa o tratamento sem consultar seu médico. Na maioria dos casos, os sintomas são autolimitados (se resolvem por si sós) e desaparecem em alguns dias. Entretanto, se você sentir que os sintomas indesejáveis são muito fortes, consulte seu médico para obter orientação.

O que corta o efeito do remédio Pondera?

Muitos medicamentos podem afetar a ação de Pondera ® (cloridrato de paroxetina) ou serem afetados por ele: outros antidepressivos (como amitriptilina, nortriptilina, imipramina e desipramina), medicamentos à base de lítio (usado para tratamento do transtorno bipolar), linezolida (antibiótico), tramadol (usado para

O que não pode tomar com Pondera?

Você não deve tomar Pondera® (cloridrato de paroxetina) ao mesmo tempo que outros medicamentos antidepressivos chamados de inibidores da MAO, com um antibiótico chamado linezolida e com azul de metileno. Só passe a usar Pondera® (cloridrato de paroxetina) duas semanas após ter deixado de tomar esse tipo de medicação.

Quanto tempo dura o tratamento com Pondera?

Comprimido 40mg – Pondera ® (cloridrato de paroxetina) é um medicamento que tem como substância ativa o cloridrato de paroxetina. Esta substância pertence ao grupo de medicamentos conhecidos como inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRS), classificados como antidepressivos.

A paroxetina aumenta a atividade da serotonina, produzida pelo cérebro e envolvida na transmissão dos impulsos nervosos. Assim como outros antidepressivos, Pondera ® (cloridrato de paroxetina) não eliminará imediatamente os sintomas que você sente e, geralmente, o alívio será sentido após algumas semanas de tratamento.

Você pode necessitar tomar este medicamento por, no mínimo, quatro semanas para sentir melhora de seus sintomas. Ocasionalmente, os sintomas de depressão e outros transtornos psiquiátricos podem incluir pensamento/comportamento suicida. Pode ser que esses sintomas continuem ou aumentem até que o medicamento tenha sua ação completada.

Pode tomar o medicamento Pondera a noite?

Recomenda-se tomar Pondera® (cloridrato de paroxetina) em dose única diária, pela manhã, com a alimentação.

Qual o melhor remédio para depressão síndrome do pânico e ansiedade?

Remédios como Alprazolam, Citalopram ou Clomipramina são indicados para tratar a síndrome do pânico, estando muitas vezes associados a sessões de terapia comportamental e psicoterapia com o psiquiatra.

Como a pessoa se sente tomando paroxetina?

Quais são os possíveis efeitos colaterais? – Este medicamento é considerado bem tolerado, seguro e eficaz quando usado em doses adequadas. Apesar disso, os efeitos colaterais mais comuns são enjoo, mudanças na função sexual normal (dificuldade de ereção ou ejaculação precoce/dificuldade de chegar ao orgasmo e alteração no desejo —entre as mulheres), dor de cabeça, fraqueza ou cansaço, dificuldade para dormir.

TonturaDificuldade de concentraçãoNervosismoMudanças na memóriaConfusão Diarreia Constipação Gases Azia Alterações no paladarAlterações na fertilidade masculinaRedução do apetiteAumento ou perda de peso Boca seca Dor muscular, ossos, nas costas ou em qualquer outra parte do corpoSensibilidade nas articulações

Além desses exemplos, a paroxetina pode causar outros efeitos colaterais. Fale com o médico ou farmacêutico caso observe algum sintoma estranho durante o uso desse medicamento.

Como saber se a paroxetina está fazendo efeito?

Geralmente, a melhora nos sintomas da depressão e transtornos de ansiedade ocorrem após 7 a 14 dias do início do tratamento.

O que não pode tomar com Pondera?

Você não deve tomar Pondera® (cloridrato de paroxetina) ao mesmo tempo que outros medicamentos antidepressivos chamados de inibidores da MAO, com um antibiótico chamado linezolida e com azul de metileno. Só passe a usar Pondera® (cloridrato de paroxetina) duas semanas após ter deixado de tomar esse tipo de medicação.

Como tomar Pondera para ansiedade?

Recomenda-se tomar Pondera® (cloridrato de paroxetina) em dose única diária, pela manhã, com a alimentação. Você deve engolir os comprimidos, de preferência com um copo de água. As doses variam de acordo com a indicação do médico.