Početna – ThaiConsulate

Tips, Reviews, Recommendations

O Que Refluxo?

O que é que o refluxo causa?

Refluxo gastroesofágico | Biblioteca Virtual em Saúde MS Refluxo gastroesofágico é o retorno involuntário e repetitivo do conteúdo do estômago para o esôfago. Os alimentos mastigados na boca passam pela faringe, pelo esôfago (um tubo que desce pelo tórax na frente da coluna vertebral) e caem no estômago, situado no abdômen.

  1. Entre o esôfago e o estômago, existe uma válvula que se abre para dar passagem aos alimentos e se fecha imediatamente para impedir que o suco gástrico penetre no esôfago, pois a mucosa que o reveste não está preparada para receber uma substância tão irritante.
  2. Crianças pequenas podem apresentar episódios de refluxo em virtude da fragilidade dos tecidos existentes na transição entre o estômago e o esôfago.

Na maioria dos casos, o problema desaparece espontaneamente.

Sintomas: – azia ou queimação que se origina na boca do estômago, mas pode atingir a garganta; – dor torácica intensa, que pode ser confundida com a dor da angina e do infarto do miocárdio; – tosse seca; – doenças pulmonares de repetição, como pneumonias, bronquites e asma. Causas: – alterações no esfíncter que separa o esôfago do estômago e que deveria funcionar como uma válvula para impedir o retorno dos alimentos; – hérnia de hiato provocada pelo deslocamento da transição entre o esôfago e o estômago, que se projeta para dentro da cavidade torácica; – fragilidade das estruturas musculares existentes na região. Fatores de risco: – obesidade: os episódios de refluxo tendem a diminuir quando a pessoa emagrece; – refeições volumosas antes de deitar; – aumento da pressão intra-abdominal; – ingestão de alimentos como café, chá preto, chá mate, chocolate, molho de tomate, comidas ácidas, bebidas alcoólicas e gasosas.

Diagnóstico: O diagnóstico leva em conta os sintomas clínicos. A endoscopia digestiva alta e a pHmetria são exames importantes para estabelecer o diagnóstico definitivo. Tratamento: O tratamento pode ser clínico ou cirúrgico. O clínico inclui a administração de medicamentos que diminuem a produção de ácido pelo estômago e melhoram a motilidade do esôfago.

Paralelamente, o paciente recebe orientação para perder peso, evitar alimentos e bebidas que agravam o quadro, fracionar a dieta, não se deitar logo após as refeições e praticar exercícios físicos. A cirurgia pode ser realizada de maneira convencional ou por laparoscopia e está indicada nos casos de hérnia de hiato, para os pacientes que não respondem bem ao tratamento clinico ou quando é necessário confeccionar uma válvula antirrefluxo.

Ela é sempre um procedimento adequado, quando a repetição do refluxo gastroesofágico provoca esofagite grave, uma vez que a acidez do suco gástrico pode alterar as células do revestimento esofágico e dar origem a tumores malignos. Recomendações: – não se automedique se tiver episódios repetidos de azia ou queimação.

Procure assistência médica para diagnóstico e tratamento adequados; – evite alimentos e bebidas, especialmente as alcoólicas, que favorecem o retorno do conteúdo gástrico; – fique longe do cigarro; – procure perder peso; – não use cintos ou roupas apertadas na região do abdome; – não se deite logo após as refeições; – distribua os alimentos em pequenas quantidades por várias refeições (café da manhã, almoço, lanche da tarde e jantar); – faça refeições mais leves.

Sente-se e coma sem pressa, mastigando bem os alimentos; – aumente a salivação com gomas de mascar ou balas duras. A saliva pode aliviar a dor; – não ponha o bebê na cama assim que acabar de mamar. Mantenha-o em pé no colo até que elimine o ar que deglutiu durante a amamentação.

Qual é a sensação de refluxo?

‘O refluxo se manifesta com azia, regurgitação, sensação de bolo na garganta e dor no tórax, por vezes tão intensa que se assemelha à dor de origem cardíaca, da angina ou do infarto do miocárdio. Quando atinge a laringe, pode provocar inflamação local, acompanhada de tosse seca e pigarro freqüente.

O que não pode comer quando se tem refluxo?

O refluxo gastroesofágico é uma das doenças digestivas mais comuns e atinge pessoas de todas as idades, provocando sintomas desagradáveis que podem levar a complicações ainda mais graves para a saúde. Segundo pesquisas, todos os meses cerca de 20% dos brasileiros sofrem com o refluxo.

  1. O que é refluxo? O refluxo gastroesofágico é o movimento em que os ácidos presentes no estômago voltam pelo esôfago, ao invés de seguirem o processo de digestão.
  2. Esse retorno involuntário dos alimentos e líquidos estomacais provoca diversos sintomas (azia, queimação, dores torácicas, entre outros).
  3. Caso não seja tratado adequadamente, o refluxo gastroesofágico pode causar danos graves ao organismo em médio e longo prazo.

Por conta da alta presença de ácido na regurgitação, as cicatrizes causadas no esôfago podem resultar em tosse crônica, estreitamento do órgão e até câncer. + Conheça as principais doenças que acometem os brasileiros Há também a esofagite, inflamação provocada pelos ácidos presentes no conteúdo do estômago.

  • Ao entrarem em contato com a mucosa do esôfago, esses ácidos provocam lesões que podem resultar na esofagite.
  • Quais as causas? Uma das causas mais comuns para o surgimento do refluxo gastroesofágico são alterações no esfíncter, uma estrutura muscular de fibras circulares em forma de anel e que funciona como uma válvula para impedir o retorno dos alimentos ao esôfago.

Se o esfíncter não se fecha adequadamente, líquidos, comida e ácido do estômago vazam de volta, provocando o refluxo. A hérnia hiatal também é uma causa para o refluxo. É uma condição na qual parte do estômago se movimenta por cima do diafragma, músculo que separa a cavidade abdominal da torácica.

Outro fator que contribui para o aparecimento do refluxo gastroesofágico é a gravidez. Durante a gestação, o bebê pode colocar pressão excessiva na válvula esofágica, provocando a liberação de ácido e, consequentemente, causando o refluxo. + Gastrite e úlcera: saiba quais mudanças nos seus hábitos alimentares vão te ajudar com esse desconforto Além disso, o consumo de álcool, o tabagismo, a obesidade e até mesmo a utilização de alguns medicamentos como ibuprofeno, relaxantes musculares e remédios para pressão arterial também podem ser causas para o refluxo.

O que comer? A alimentação saudável é uma chave para o controle do refluxo e para oferecer bem-estar às pessoas atingidas por essa complicação do trato digestivo. Ao elaborar a dieta, o indivíduo deve dar preferência aos alimentos integrais e aumentar a ingestão de fibras.

  1. Obesidade: o que é, fatores de risco, tratamento e prevenção Frango, atum, salmão e carnes magras são as melhores escolhas para compor as proteínas da dieta para combater o refluxo.
  2. Iogurte e kefir (um tipo de leite fermentado com muitos benefícios para a saúde) são excelentes para equilibrar as bactérias saudáveis do estômago, ajudando na digestão dos alimentos.

As gorduras saudáveis, como óleo de coco e abacate, também são grandes aliadas para amenizar os sintomas do refluxo. Legumes como alcachofra, pepino, abóbora e aspargo possuem propriedades que também ajudam a cuidar do trato digestivo. Amêndoas, água de coco, vinagre de maçã, gengibre, salsa e erva-doce são outros alimentos que não devem faltar na dieta para pacientes com refluxo gastroesofágico.

É importante lembrar que comer muito nas refeições piora significativamente os sintomas do refluxo, gerando ainda mais pressão sobre o esfíncter e atrapalhando a digestão correta. Por isso, recomenda-se ingerir pequenas porções durante as refeições diárias. Quais alimentos evitar? Além de incluir em sua dieta os itens que amenizam os sintomas, é importante evitar alguns tipos de alimentos para obter sucesso no tratamento do refluxo.

Frituras com óleos vegetais são altamente prejudiciais, assim como todos os alimentos processados. Chocolate, açúcar e adoçantes também não são recomendados. + Como o açúcar afeta nosso cérebro? Bebidas alcóolicas, refrigerantes e energéticos devem ser evitados em indivíduos com refluxo.

  1. Milho, batata, tomate e alguns grãos também podem piorar os sintomas.
  2. Por isso, recomenda-se evitar a ingestão.
  3. Caso o refluxo gastroesofágico seja persistente por mais de duas vezes na semana, por longos períodos, é recomendada a busca por ajuda médica com um profissional capacitado, para dar um diagnóstico preciso e iniciar o tratamento adequado para cada caso.
See also:  Cloridrato De Fexofenadina Para Que Serve?

Cuidar de você. Esse é o plano.

Onde o refluxo ataca?

Refluxo gastroesofágico | Biblioteca Virtual em Saúde MS Refluxo gastroesofágico é o retorno involuntário e repetitivo do conteúdo do estômago para o esôfago. Os alimentos mastigados na boca passam pela faringe, pelo esôfago (um tubo que desce pelo tórax na frente da coluna vertebral) e caem no estômago, situado no abdômen.

  • Entre o esôfago e o estômago, existe uma válvula que se abre para dar passagem aos alimentos e se fecha imediatamente para impedir que o suco gástrico penetre no esôfago, pois a mucosa que o reveste não está preparada para receber uma substância tão irritante.
  • Crianças pequenas podem apresentar episódios de refluxo em virtude da fragilidade dos tecidos existentes na transição entre o estômago e o esôfago.

Na maioria dos casos, o problema desaparece espontaneamente.

Sintomas: – azia ou queimação que se origina na boca do estômago, mas pode atingir a garganta; – dor torácica intensa, que pode ser confundida com a dor da angina e do infarto do miocárdio; – tosse seca; – doenças pulmonares de repetição, como pneumonias, bronquites e asma. Causas: – alterações no esfíncter que separa o esôfago do estômago e que deveria funcionar como uma válvula para impedir o retorno dos alimentos; – hérnia de hiato provocada pelo deslocamento da transição entre o esôfago e o estômago, que se projeta para dentro da cavidade torácica; – fragilidade das estruturas musculares existentes na região. Fatores de risco: – obesidade: os episódios de refluxo tendem a diminuir quando a pessoa emagrece; – refeições volumosas antes de deitar; – aumento da pressão intra-abdominal; – ingestão de alimentos como café, chá preto, chá mate, chocolate, molho de tomate, comidas ácidas, bebidas alcoólicas e gasosas.

Diagnóstico: O diagnóstico leva em conta os sintomas clínicos. A endoscopia digestiva alta e a pHmetria são exames importantes para estabelecer o diagnóstico definitivo. Tratamento: O tratamento pode ser clínico ou cirúrgico. O clínico inclui a administração de medicamentos que diminuem a produção de ácido pelo estômago e melhoram a motilidade do esôfago.

Paralelamente, o paciente recebe orientação para perder peso, evitar alimentos e bebidas que agravam o quadro, fracionar a dieta, não se deitar logo após as refeições e praticar exercícios físicos. A cirurgia pode ser realizada de maneira convencional ou por laparoscopia e está indicada nos casos de hérnia de hiato, para os pacientes que não respondem bem ao tratamento clinico ou quando é necessário confeccionar uma válvula antirrefluxo.

Ela é sempre um procedimento adequado, quando a repetição do refluxo gastroesofágico provoca esofagite grave, uma vez que a acidez do suco gástrico pode alterar as células do revestimento esofágico e dar origem a tumores malignos. Recomendações: – não se automedique se tiver episódios repetidos de azia ou queimação.

Procure assistência médica para diagnóstico e tratamento adequados; – evite alimentos e bebidas, especialmente as alcoólicas, que favorecem o retorno do conteúdo gástrico; – fique longe do cigarro; – procure perder peso; – não use cintos ou roupas apertadas na região do abdome; – não se deite logo após as refeições; – distribua os alimentos em pequenas quantidades por várias refeições (café da manhã, almoço, lanche da tarde e jantar); – faça refeições mais leves.

Sente-se e coma sem pressa, mastigando bem os alimentos; – aumente a salivação com gomas de mascar ou balas duras. A saliva pode aliviar a dor; – não ponha o bebê na cama assim que acabar de mamar. Mantenha-o em pé no colo até que elimine o ar que deglutiu durante a amamentação.

Quando desconfiar de refluxo?

Queimação, ânsia e dor na região do estômago são alguns dos sintomas comumente relatados Fonte: Roberto Rizzi, cirurgião bariátrico e do aparelho digestivo do Hospital Santa Paula. Queimação, ânsia e dor na região do estômago são alguns dos sintomas comumente relatados por pessoas que sofrem com o refluxo gastroesofágico, A condição, que passa a ser considerada doença quando ocorre mais de uma vez por semana, pode provocar mais do que um simples mal-estar.

Se não tratado, o refluxo pode causar úlceras no esôfago, devido ao excesso de ácido nesta região. Essa sensação de queimação subindo da boca do estômago até a garganta é bastante comum à noite. Quando nos deitamos, a gravidade já não ajuda mais a manter o ácido estomacal para baixo, aumentando as chances de refluxo.

Dessa forma, algumas atitudes simples como não se deitar logo após comer e evitar certos tipos de alimentos mais ácidos, podem diminuir as crises. Mas afinal, o que é refluxo? Quais suas principais causas, sintomas e como tratar? É o que explicamos a partir de agora.

Como saber se estou com gastrite ou refluxo?

Principais diferenças entre refluxo gastroesofágico e gastrite – As principais diferenças entre refluxo gastroesofágico e gastrite se dão pela topografia das lesões e, consequentemente, dos sintomas, tal como a tosse seca que só está presente no refluxo. Além disso, as causas dessas doenças também diferem, sendo fundamental o diagnóstico médico para iniciar um tratamento adequado.

O que causa refluxo à noite?

Alguns sintomas da doença tendem a piorar ao deitar, como, por exemplo, a sensação de asfixia causada quando o ácido atinge a garganta. Isso faz com que a pessoa acorde durante a noite ou cause uma sequência de pequenos despertares, fragmentando o repouso e diminuindo a sua qualidade.

Então, como melhorar a noite de sono quando se tem refluxo? Apesar desses sintomas atrapalharem as noites de sono, existem algumas maneiras de amenizá-los. Mudar o estilo de vida e o comportamento diário podem ajudar a reduzir refluxo na hora de dormir. Cuidado com a alimentação Alguns alimentos e bebidas podem acentuar a incidência de refluxo.

Diminuir o consumo desses produtos é um excelente modo de evitar os sintomas desse problema. Entre eles estão: gorduras e frituras, café, chocolate, bebidas alcoólicas, carboidratos, pimenta e gaseificados. Alguns desses alimentos tem um tempo de digestão maior, aumentam a acidez do estômago e favorecem que o aparecimento dos sintomas durante a noite.

  1. Não deite após comer Ir para a cama logo depois de comer pode causar refluxo.
  2. O ideal é finalizar as refeições de duas a três horas antes de dormir.
  3. Ao deitar, fazemos pressão dentro do abdômen e estômago, o que faz aumentar as chances do suco gástrico voltar para o esôfago.
  4. Durante a espera, busque realizar atividades relaxantes.

A posição na hora de dormir Deitar virado para o lado esquerdo é uma forma de reduzir os sintomas de refluxo. Essa é a posição mais indicada na hora de dormir. Os benefícios são muitos, desde facilitar o processo de digestão até melhorar a circulação sanguínea.

  • Para tanto, é imprescindível a utilização de um travesseiro em altura e suporte adequados para esse posição.
  • Ele deve preencher completamente o espaço existente entre a cabeça e o colchão, deixando pescoço e coluna alinhados e as vias respiratórias livres.
  • Use uma almofada antirefluxo Usada sob o tronco, o Antirefluxo pode amenizar os incômodos do refluxo.

O seu formato triangular mantém o corpo levemente inclinado durante toda a noite, reduzindo as chances do ácido ou do suco gástrico regressarem para o esôfago.

O que é bom para refluxo à noite?

7 passos para evitar crises de refluxo a noite O Que Refluxo Posted at 18:42h in by Refluxos noturnos são comuns em pacientes com a doença do refluxo gastroesofágico (DRGE). Os sintomas são caracterizados como queimação e ardência na boca do estomago. Para que você tenha uma noite livre de refluxo separamos 07 dicas que vão te ajudar a dormir bem e sem incômodos:

Durma virado para o lado esquerdo: essa posição diminui a chance de refluxo; Evite o consumo de álcool e cafeína antes de dormir: Se alimente com refeições leves e no mínimo 3 horas antes de deitar; Não durma com roupas apertadas na região da cintura, prefira roupas leves e soltas Evite dormir de barriga para baixo, pois aumenta a pressão no esfíncter esofágico inferior, Relaxe, o estresse aumenta a produção de ácido gástrico. Tome líquido de forma fracionada. :

E você, já teve essa refluxo noturno? Me conta nos comentários : 7 passos para evitar crises de refluxo a noite

See also:  O Que SíLaba TôNica?

O que o refluxo pode causar na boca?

Conheça os tratamentos para refluxo gastroesofágico

  • O que é a doença do refluxo gastroesofágico?
  • A doença do refluxo gastroesofágico, é um distúrbio digestivo que os ácidos presentes dentro do estômago voltam pelo esôfago ao invés de seguir o fluxo normal da digestão.
  • Em alguns casos, ele ocorre de forma esporádica em função de o estômago estar cheio demais, ou por causa do tipo de alimento que foi ingerido, o que não se caracterizam como uma doença.
  • Os casos mais graves são quando os indivíduos mostram refluxo gastroesofágico com frequência pelo menos semanal e com uma intensidade alta interferindo na sua qualidade de vida.
  • Sintomas do refluxo gastroesofágico

O refluxo pode causar uma sensação desconfortável de queimação no peito, que pode irradiar para o pescoço. Essa sensação costuma ser conhecida como azia, Se você tem refluxo, pode desenvolver um gosto azedo ou amargo no fundo da boca. Também pode fazer com que você expelir alimentos ou líquidos do estômago para a boca.

Em alguns casos, pode causar dificuldade para engolir, Às vezes, pode levar a problemas respiratórios, como tosse crônica ou asma, Causas O refluxo é causado por alterações nos mecanismos de barreira que existem entre o esôfago e o estômago. Uma delas envolve problemas no músculo do esfíncter esofagiano, que deixa de se contrair adequadamente para fechar a válvula.

Esse relaxamento pode acontecer sem ter nenhuma origem conhecida, mas geralmente está associado a sobrepeso, excesso de bebidas alcoólicas, tabagismo e consumo frequente de comidas muito gordurosas ou industrializadas.

Quem tem problema de refluxo pode tomar leite?

Alimentos de origem animal – Quem tem refluxo pode comer alimentos de origem animal como leite e seus derivados, mas estes precisam ser desnatados, ” A gordura retarda a digesto e aumenta a produo de cido, por isso, ao consumir leite ou derivados lcteos, importante que sejam desnatados.

  1. Dessa forma, seu organismo far a absoro dos alimentos sem causar a irritao gstrica “, explica Camila Marques.
  2. Alm do leite, quem tem refluxo tambm pode comer carnes brancas como frango e frutos do mar como peixes e camaro,
  3. Essas carnes possuem baixo teor de gordura e ajudam a reduzir os efeitos do refluxo.

Mas importante que elas sejam preparadas de forma saudvel, de preferncia cozidas ou assadas.

Quais são os tipos de refluxo?

Quais são os tipos de refluxo? – Existem dois tipos desse problema na digestão: a doença do refluxo gastroesofágico (RGE) e do laringofaríngeo (RLF), O refluxo gastroesofágico (RGE) acontece quando o ácido do estômago ou a bile (líquido produzido pelo fígado) retorna para o esôfago.

  • Isso ocorre quando o músculo e os esfíncteres (tipo de estruturas musculares), que deveriam impedir que o ácido do estômago saia do seu interior, não funcionam de maneira adequada.
  • O suco gástrico tem a função de digerir os alimentos e, por isso, é um líquido altamente ácido.
  • Porém, essa acidez, quando entra em contato com a mucosa do esôfago, causa uma sensação desconfortável de queimação e azia, além de regurgitações e desconforto abdominal,

Já o refluxo laringofaríngeo (RLF) acontece quando a secreção ácida do estômago chega até a garganta. Esse tipo de problema causa irritação e dor na garganta, pigarro, tosse e rouquidão,

Como é a tosse causada por refluxo?

Qual a diferença de sintomas? – A principal diferença entre a DRGE e um resfriado comum é ausência de febre e dos sinais de congestão. Além disso, no caso do refluxo o quadro é muito mais arrastado e não se resolve espontaneamente como na maioria dos quadros respiratórios causados por infecções virais, por exemplo.

Quando o refluxo atinge a laringe, faringe, árvore traqueobrônquica e pulmões, os sintomas podem ser tosse seca ou com secreção, rouquidão, dor no tórax que pode parecer infarto, pigarro e sensação de irritação freqüente na garganta. Menos comumente pode ocorrer asma e pneumonias. Esses são os chamados sintomas atípicos da DRGE.

Classicamente as principais queixas de quem sofre de refluxo são a azia, que é aquela sensação de queimação “na boca do estômago”, dores no meio do tórax, arrotos, desconforto para deglutir e regurgitação.

Quanto tempo pode durar uma crise de refluxo?

O refluxo não tratado e recorrente por mais de 15 dias pode causar algumas lesões e danificar os órgãos envolvidos, como o esôfago e o estômago.

Qual o melhor remédio para refluxo na garganta?

Qual tratamento mais adequado? –

O refluxo precisa ser bem controlado com uso de duas doses diárias de inibidor de bomba de prótons (omeprazol, pantoprazol, lansoprazol, rabeprazol ou esomeprazol). Esta medicação pode ser associada a um antiácido à base de alginato, especialmente ao deitar. Atenção à higiene bucal. Ingerir muito líquido para evitar a sensação desagradável de boca seca. Evitar a ingestão de bebidas alcoólicas, com cafeína, antialérgicos e balas mentoladas. Pois são produtos que contém substâncias que ressecam a garganta e as cordas vocais. O tabagismo deve ser eliminado. Tomar cuidados com a voz, evitando gritar, sussurrar, falar por longos períodos sem interrupção e pigarrear.

Com relação aos indivíduos que fazem uso de medicamentos, deve haver uma avaliação frequente, já que a dosagem pode ser alterada e até mesmo interrompida, definida pela resposta clínica. Caso o problema persista, a laringoscopia deve ser repetida. Raramente, os pacientes com RLF necessitam de uma intervenção cirúrgica para controle do refluxo gastroesofágico.

Quem tem refluxo pode beber água com limão?

3# Tomar água com limão – Ao contrário do que o senso comum acredita, a água com limão ajuda a combater e amenizar a dor que o refluxo causa. Quando o limão entra em contato com o organismo, ele se torna alcalino. Isso ajuda a amenizar a acidez do suco gástrico.

Quem tem refluxo pode sentir falta de ar?

Asfixia ou tosse súbita e forte que interfere na respiração, que pode acordar o paciente, é uma manifestação mais grave do refluxo. Tosse seca, garganta limpa, alterações na voz e até falta de ar com chiado no peito, semelhante à asma, podem ser causadas pelo refluxo.

Quais os problemas que o refluxo pode causar?

Refluxo gastroesofágico é o retorno involuntário e repetitivo do conteúdo do estômago para o esôfago. Os alimentos mastigados na boca passam pela faringe, pelo esôfago (um tubo que desce pelo tórax na frente da coluna vertebral) e caem no estômago, situado no abdômen.

  1. Entre o esôfago e o estômago, existe uma válvula que se abre para dar passagem aos alimentos e se fecha imediatamente para impedir que o suco gástrico penetre no esôfago, pois a mucosa que o reveste não está preparada para receber uma substância tão irritante.
  2. Crianças pequenas podem apresentar episódios de refluxo em virtude da fragilidade dos tecidos existentes na transição entre o estômago e o esôfago.

Na maioria dos casos, o problema desaparece espontaneamente. Sintomas: – azia ou queimação que se origina na boca do estômago, mas pode atingir a garganta; – dor torácica intensa, que pode ser confundida com a dor da angina e do infarto do miocárdio; – tosse seca; – doenças pulmonares de repetição, como pneumonias, bronquites e asma.

Causas: – alterações no esfíncter que separa o esôfago do estômago e que deveria funcionar como uma válvula para impedir o retorno dos alimentos; – hérnia de hiato provocada pelo deslocamento da transição entre o esôfago e o estômago, que se projeta para dentro da cavidade torácica; – fragilidade das estruturas musculares existentes na região.

Fatores de risco: – obesidade: os episódios de refluxo tendem a diminuir quando a pessoa emagrece; – refeições volumosas antes de deitar; – aumento da pressão intra-abdominal; – ingestão de alimentos como café, chá preto, chá mate, chocolate, molho de tomate, comidas ácidas, bebidas alcoólicas e gasosas.

  1. Diagnóstico: O diagnóstico leva em conta os sintomas clínicos.
  2. A endoscopia digestiva alta e a pHmetria são exames importantes para estabelecer o diagnóstico definitivo.
  3. Tratamento: O tratamento pode ser clínico ou cirúrgico.
  4. O clínico inclui a administração de medicamentos que diminuem a produção de ácido pelo estômago e melhoram a motilidade do esôfago.
See also:  Quanto Ganha Um General Do ExRcito?

Paralelamente, o paciente recebe orientação para perder peso, evitar alimentos e bebidas que agravam o quadro, fracionar a dieta, não se deitar logo após as refeições e praticar exercícios físicos. A cirurgia pode ser realizada de maneira convencional ou por laparoscopia e está indicada nos casos de hérnia de hiato, para os pacientes que não respondem bem ao tratamento clinico ou quando é necessário confeccionar uma válvula antirrefluxo.

Ela é sempre um procedimento adequado, quando a repetição do refluxo gastroesofágico provoca esofagite grave, uma vez que a acidez do suco gástrico pode alterar as células do revestimento esofágico e dar origem a tumores malignos. Recomendações: – não se automedique se tiver episódios repetidos de azia ou queimação.

Procure assistência médica para diagnóstico e tratamento adequados; – evite alimentos e bebidas, especialmente as alcoólicas, que favorecem o retorno do conteúdo gástrico; – fique longe do cigarro; – procure perder peso; – não use cintos ou roupas apertadas na região do abdome; – não se deite logo após as refeições; – distribua os alimentos em pequenas quantidades por várias refeições (café da manhã, almoço, lanche da tarde e jantar); – faça refeições mais leves.

  1. Sente-se e coma sem pressa, mastigando bem os alimentos; – aumente a salivação com gomas de mascar ou balas duras.
  2. A saliva pode aliviar a dor; – não ponha o bebê na cama assim que acabar de mamar.
  3. Mantenha-o em pé no colo até que elimine o ar que deglutiu durante a amamentação.
  4. IMPORTANTE: Somente médicos e cirurgiões-dentistas devidamente habilitados podem diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios.

As informações disponíveis em Dicas em Saúde possuem apenas caráter educativo. Dica elaborada em outubro de 2.017. Fontes: Dr. Dráuzio Varella: Azia Dr. Dráuzio Varella: Doença do refluxo

O que pode causar refluxo em adultos?

Causas do refluxo gastroesofágico – Em algumas situações a causa da doença não se consegue definir. A presença de uma hérnia de hiato é uma das causas mais frequentes de doença de refluxo. Outras causas podem ser a ausência de motilidade do esófago, algumas doenças sistémicas, como a esclerodermia, ou obstáculo ao esvaziamento do estômago, como ocorre na estenose pilórica, provocada por doença ulcerosa.

Como saber se o refluxo foi para o pulmão?

DOENÇA DO REFLUXO GASTRESOFÁGICO E AS CONSEQUÊNCIAS PULMONARES O QUE É REFLUXO GASTRESOFÁGICO OU DOENÇA DO REFLUXO GASTRESOFÁGICO? O refluxo gastroesofágico ou doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) consiste no refluxo de conteúdo alimentar presente no estômago para o esôfago (órgão tubular que leva o alimento da boca ao estômago), normalmente com pH ácido. O Que Refluxo Anatomia QUAIS SÃO OS SINTOMAS DA DRGE? O refluxo que contém material ácido alcança o esôfago, pode atingir a faringe e chegar até a boca, provocando pirose (ardor, queimação na região torácica anterior), azia (gosto amargo na boca e mal estar), regurgitação, sensação de alimento entalado na garganta, salivação excessiva, empachamento (plenitude gástrica), eructação (arrotos), halitose (mau-hálito).

A dor na região do tórax algumas vezes pode simular dor de origem cardíaca e ser confundida com dor de infarto do miocárdio. O chamado Esôfago de Barrett é uma complicação da DRGE e este tipo está intimamente ligado ao câncer do esôfago. O REFLUXO PODE OCORRER MESMO SEM A PRESENÇA DESSES SINTOMAS? Muitas vezes o refluxo pode ocorrer sem esses sintomas característicos.

Isso ocorre na maioria das vezes em que o refluxo penetra o interior do sistema respiratório e os sintomas que podem ocorrer são tosse, chiado no peito, falta de ar. O QUE CAUSA A DRGE? Todo fator que diminuir o tônus muscular do cárdia (válvula localizada na transição do esôfago com o estômago) pode provocar a DRGE.

Os fatores predisponentes mais comuns são a presença de hérnia do hiato esofágico, obesidade e tabagismo, entre outros. Acidez elevada, bem como excessiva produção de ácido gástrico, pode contribuir para a ocorrência da doença. Outras causas menos comuns são a síndrome de Zollinger-Ellison, hipercalcemia, esclerose sistêmica e pedras na vesícula.

Acrescenta-se que a ingestão de alimentos condimentados, gordurosos, uso do fumo e álcool, mau hábito de alimentação (dormir logo após a refeição, excesso de comida) são fatores que ocasionam e pioram os efeitos do refluxo. O QUE É HÉRNIA DE HIATO? Hérnia de hiato é uma porção do estômago que sai da cavidade abdominal e se introduz na cavidade torácica por alguma falha no diafragma. Hérnia de hiato QUAIS OS RISCOS DA DRGE PARA O SISTEMA RESPIRATÓRIO? O conteúdo do refluxo, ao penetrar no interior dos brônquios e dos pulmões, pode levar a uma série de doenças como asma, pneumonia, bronquiectasias e fibrose pulmonar. O refluxo, quando passa pela garganta, pode ocasionar dor ao engolir, rouquidão (por comprometer as cordas vocais) e até mesmo sinusite e dor de ouvido.

QUAIS OS SINTOMAS DA DRGE NO SISTEMA RESPIRATÓRIO? O principal sintoma de DRGE no sistema respiratório é a tosse ou pigarro persistente. Também podem ocorrer falta de ar, chiado no peito e expectoração de acordo com o tipo de complicação pulmonar que a DRGE provocar. Sintoma relativamente comum é o despertar durante o noite como se estivesse sufocado ou asfixiado.

A DRGE pode complicar uma série de doenças respiratórias, levando a maior gravidade da asma, DPOC, bronquiectasias e Fibrose Pulmonar. O refluxo também é uma das principais causas de rouquidão e sinusite. O Que Refluxo Manifestações respiratórias da DRGE COMO SE FAZ O DIAGNÓSTICO DA DRGE? Pelos sintomas é possível se suspeitar da DRGE. Pela endoscopia digestiva alta pode-se encontrar a presença de hérnia de hiato e esofagite, que é a inflamação da mucosa esofágica causada pelo ácido refluído do estômago.

No entanto, a maioria dos casos de DRGE não pode ser comprovada através de endoscopia. Nos casos com sintomas típicos em que a endoscopia é normal, a pH-metria esofágica de 24h costuma fazer o diagnóstico. O exame é realizado através da localização do esfíncter esofágico inferior por um exame chamado manometria, é então inserido um catéter com sensor de pH por via nasal até o esôfago, registrando-se o pH esofágico durante 24 horas e observando-se os episódios de refluxo.

Nos casos com sintomas de refluxo, mas com os exames acima normais e pouca resposta ao tratamento, pode-se utilizar a impedanciopH-metria, exame que demonstra a presença de refluxo não ácido. TRATAMENTO MEDICAMENTOSO Os casos leves são tratados com medicamentos antiácidos e por medicamentos que melhoram o esvaziamento gástrico.

Os mais efetivos são os inibidores da bomba de prótons (omeprazol, pantoprazol, esomeprazol, rabeprazol e similares) ingeridos 1 ou 2 vezes ao dia. Habitualmente, quando a DRGE atinge o sistema respiratório levando a lesões ou outras doenças, o tratamento preconizado com inibidores de bombas de prótons é com dose dobrada, duas vezes ao dia.

TRATAMENTO NÃO MEDICAMENTOSO Tão importante quanto os medicamentos para o tratamento da DRGE são as medidas comportamentais tais como:

Seguir dieta adequada (veja o item baixo); Recomenda-se não comer grandes porções em cada refeição. O ideal seria comer devagar, pequenas porções e várias vezes ao dia (não ficar em jejum mais que quatro horas); Evitar ingerir líquidos durante as refeições (aguardar 1h30); Evitar deitar após comer (aguardar 1h30); Levantar a cabeceira da cama (20cm) ou utilizar travesseiro antirrefluxo.

DIETA PARA DRGE A dieta para DRGE deve evitar o uso de:

Leite e derivados, especialmente à noite Café preto, chocolate, chá (mate, preto) Refrigerantes Bebidas alcoólicas Cigarro Frituras e gorduras Massas (especialmente com molho vermelho) Doces Frutas ácidas: laranja, limão, tangerina, abacaxi, maracujá Temperos e condimentos: vinagre, limão, pimenta, pimenta-do-reino, alho, cebola, mostarda, catchup, conservas, embutidos (salsicha, salame, lingüiça) Medicamentos antiinflamatórios

TRATAMENTO CIRÚRGICO Para os casos mais graves e aqueles que não respondem ao tratamento clínico, pode estar indicado o tratamento cirúrgico, que consiste na correção da hérnia de hiato ou da incontinência do esfíncter inferior do esôfago através da confecção de uma válvula antirrefluxo (fundoplicatura). Fundoplicatura : DOENÇA DO REFLUXO GASTRESOFÁGICO E AS CONSEQUÊNCIAS PULMONARES